Simbolismo envolvido

(See it in English)

Carl G Jung, na introdução do livro “O Homem e Seus Símbolos”, nos diz o seguinte:

“Tomemos como outro exemplo o caso de um indiano que, após uma visita à Inglaterra,
contou na volta aos seus amigos que os britânicos adoravam animais, isto porque vira inúmeros leões, águias e bois nas velhas igrejas. Não estava informado (tal como muitos cristãos) que estes animais são símbolos dos evangelistas, símbolos provenientes de
uma visão de Ezequiel que, por sua vez, tem analogia com Horus, o deus egípcio do Sol e seus quatro filhos”

Neste exemplo de Jung, os animais são símbolos e a visão de Ezequiel é uma alegoria.

Se tomarmos ao pé da letra a Divina Comédia, sem levar em conta os simbolismo e as alegorias envolvidas, vamos cometer o mesmo equívoco. A Divina Comédia não é uma alegoria, é alegórico, construido com alegorias. Cada círculo do Inferno é uma alegoria a um pecado específico.

Descrever a realidade, em todas suas dimensões, é impossível. O que fazemos é lançar mão de artificios que variam ao longo do tempo. Na Idade Média quase tudo era feito por Alegorias, que podiam incluir símbolos, mas que tinham uma conotação própria da época, inclusive sendo execradas posteriormente.

Simbolo é meio óbvio, sempre o símbolo representa algo maior que êle, como por exemplo, uma árvore representa a vida. Símbolos tendem a ser visuais.

Uma alegoria é uma outra forma de dizer alguma coisa. É uma representação de pensamentos, idéias, qualidades ou características. Tendem a ser descrições e a poesia é muito usada para isto.

Línguisticamente, ou filosoficamente, é um método de interpretação aplicado por pensadores gregos (pré-socráticos, estoicos etc.) aos textos homéricos, por meio do qual se pretendia descobrir ideias ou concepções filosóficas embutidas figurativamente nas narrativas mitológicas.

Uma das alegorias mais conhecidas que existem é a da Caverna de Platão, que descreve um grupo de homens que viveram somente em uma caverna sabendo das coisas do mundo real da superficie através de projeções. Um deles é trazido para o mundo externo, onde há sol, vê as coisas como são e quando volta e conta aos outros, eles  se recusaram a acreditar.

Platão estava discutindo  teoria do conhecimento, linguagem e educação na formação do Estado ideal na sua obra A Republica.

O que esta alegorizado é a ignorância…

A Maior parte das Fábulas de Esopo são alegorias. Pense na Raposa e as Uvas.

Mais perto de nós, se você leu A Revolução dos Bichos de G.Orwell, vai ver que ele estava falando da Revolução Marxista da Russia.

No caso de simbolismo, pense na Torre Eifell. É impossivel deixar de pensar em  Paris, pois virou seu símbolo.

Veja este quadro de Boticelli, é uma alegoria sobre a Primavera. Tem tanta coisa que tem que dar uma olhada no verbete.(Esta muito fraco em Português)

Sandro BOTTICELLI - le printemps

Sua alegoria sobre o Inferno é antológica e teve um filme lançado recentemente:

Botticelli-Map-of-the-Hell

Virgílio era um símbolo da razão humana (isto contrastava com Beatrice, que simbolizava a fé, implicando a Revelação e a Teologia). Essa idéia foi exposta em grande parte em uma passagem no Purgatório XVIII, onde Virgilio está a ponto de explicar como os seres humanos merecem elogios ou culpas. Ele diz que explicará tanto quanto a razão lhe permitirá; Beatrice explicará o resto, pois ela pertence ao dominio da fé:

‘Quanto ragion qui vede,/dirti poss’io; da indi in là t’aspetta/pur a Beatrice, ch’è opra di fede’ [ ‘I can, as far as reason sees, respond./Beyond that, faith’s required’…/ ‘and you must therefore wait for Beatrice.’(46-8) Eu posso, na medida em que a razão vê, responda. / Além disso, a fé é necessária ‘… /’ e você portanto deve esperar por Beatrice

Cada tormento no Inferno é uma referência alegórica a pecados específicos. A Divina Comedia de Dante, na superfície, descreve as viagens de Dante através do Inferno, do Purgatório, do Paraíso ou do Céu; mas em um nível mais profundo, representa, alegoricamente, a jornada da alma em direção a Deus.  Conseqüentemente, a Divina Comédia é considerada uma alegoria simbólica da “Summa (Theologica) em verso”

Veja uma discussão em como foi pensado por Dante a colocação de alegorias e simbolos no seu poema.

Veja como isto foi analisado para as representações visuais

Dante e as ciencias ocultas e as sociedades secretas

Proxima perspectiva: Summa Theologica

Glossário de Símbolos e Alegorias na Divina Comedia

Significado do Simbolismo e das Alegorias no Inferno da Divina Comedia

 

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s