Glossário de Símbolos e Alegorias na Divina Comedia

Fiquei em dúvida ao criar esta parte deste site blog porque a Divina Comedia pede um misto de Dicionário, Glossário, Vocabulário e sobre tudo Cross Reference, que seria localizar no texto alguma palavra ou assunto. A Word Press disponibliza uma ferramenta de Search, (procura) que não sei direito como foi programada, mas pelo pouco que testei, ela parece mais um cross reference que qualquer outra coisa. Pareceu-me que ela localiza nos blogs editados onde estiver a palavra procurada, tanto pelo título como dentro da redação. Mas ela somente se referencia ao que foi editado e publicado com a ferramenta dela. Para termos um cross reference do poema todo, teríamos que editá-lo dentro do Word Press. As Universidades Americanas, que primam pelo bom trabalho neste sentido, parece que optaram pela tradução comentada. Não faz muito sentido enfrentar na integra 14 mil decassílabos divididos em cem cantos, embora esta maravilha moderna que é o computador ofereça um ferramental que facilita muito quem quiser ir nesta direção. Nos moldes americanos, Helder da Rocha fez um excelente trabalho que vale a pena ser visto.
Optei por Glossário seguindo a literatura técnica, que compila a partir de um texto o significado das palavras para aquele texto.
O Cross Reference, vamos ver como funciona o da Word Press depois do trabalho pronto.
Neste caso, vamos fazer o caminho na medida em que andarmos, pois temos o mapa, o rumo e o sextante…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Advertisements

Dante on the movies

Dante, six hundred years before its invention, wrote cinematographically.

L’Inferno 1911

This Italian silent filme was loosely adapted fromThe Divine Comedy  being the first full-length Italian feature film ever made.

Cine L'Inferno 1911

You can see it at the Youtube

Dante’s Inferno (1924 film)

Silent film about a slum landlord sent to hell

Cine 1924-Dante's_Inferno_film_poster

Dante’s Inferno (1935 film)

Dante’s Inferno (1935 film), a film based around a fairground attraction depicting the inferno.

Cine 1935

Dante’s Inferno (1967 film), a film about the tortured life of Dante Gabriel Rossetti

 It tells of the relationship between the 19th-century artist and poet Dante Gabriel Rossetti and his model, Elizabeth Siddal.

No relation with our Dante.

Dante’s Inferno (2007 film), a puppet comedy version of Dante’s hell.

In this paper-puppet satire, a modern-day Dante Alighieri (Dermot Mulroney) awakens, completely lost, with an epic hangover. As he makes his way through a dangerous neighborhood, Alighieri meets the poet Virgil (James Cromwell), who offers to lead him home. Instead, Virgil treats Alighieri to a chilling tour of the Underworld, where he witnesses sins of all kinds and passes through the gaping mouth of hell — which bears a surprising resemblance to the concrete jungle he already knows so well.

Cine 2007 Dante's_Inferno_FilmPosterDante’s Inferno (video game), 2010 game based on Alighieri’s poem.

Cine 2010 Video Game-Dante's_InfernoDante’s Inferno: An Animated Epic, 2010 direct to DVD film based on the video game

Cine animated epic 2010-Dante's_Inferno

 

Of this list, the 2007 film (a puppet movie!) appears to be the only straight answer to the question; the rest of the films aren’t really based on Dante’s work. Here’s the intro to the Wikipedia entry on the 2007 film:

Dante’s Inferno is a 2007 comedy film performed with hand-drawn paper puppets on a toy theater stage. The film was adapted from the book “Dante’s Inferno” by Sandow Birk andMarcus Sanders(Chronicle Books, 2004), which is a modern update of the canticle Inferno from Dante Alighieri’s epic poem The Divine Comedy. The film chronicles Dante’s (voiced by Dermot Mulroney) journeys through the underworld, guided by Virgil (voiced by James Cromwell). The head puppeteer was Paul Zaloom and the puppets were designed by Elyse Pignolet and drawn by Sandow Birk. The film premiered January 20, 2007 at the 2007 Slamdance Film Festival. The film has also been shown at the Santa Barbara International Film Festival, Sarasota Film Festival, Atlanta Film Festival, Newport Beach Film Festival, Maryland Film Festival, Silver Lake Film Festival, the Boston Underground Film Festival, and on the Ovation TV cable network.

First off, if you want a movie true to the text – stay away from anything to do with the video game.

Now, there is a silent version from 1911 directed by Giuseppe de Liguoro. It was re-released in 2004 with a soundtrack by Tangerine Dream. Because it’s silent it has the hokey poor acted feel of most silent movie. But very true to the text.

My favorite is the paper puppets version released in 2007 (?). It sets the story in modern day Los Angeles/US. Very interesting.

Next perspective: Dante and Graphic Novels

A influência de Dante nas artes visuais nos séculos após sua criação

(See it in English)

Dante mudou a representação da realidade na literatura ocidental. Vamos dar uma olhada no quadro mental atrás de tudo isso.

Este assunto é uma situação catch 22, ou o que na cultura americana é conhecido como um duplo vínculo ou double bind 

O Catch-22 é um romance que começa como um conjunto de requisitos paradoxais segundo os quais os aviadores mentalmente incapazes de voar não precisavam fazê-lo, mas não podiam ser dispensados.

Um duplo vinculo, ou  double bind   é uma situação em que a pessoa esta num dilema de comunicação em que um indivíduo (ou grupo) recebe duas ou mais mensagens conflitantes, e uma mensagem nega a outra. Isso cria uma situação em que uma resposta bem-sucedida a uma mensagem resulta em uma resposta falha a outra (e vice-versa), para que a pessoa automaticamente seja errada independentemente da resposta. O duplo vínculo ocorre quando a pessoa não pode enfrentar o dilema inerente e, portanto, não pode resolvê-lo nem optar por sair da situação.

Eu (REC) vejo a crítica literaria como afirmado acima, embora com seu próprio conjunto de complicações, agravado pelo fato de que se você conhecesse grego, latim, alemão, italiano, francês, espanhol, para não mencionar o inglês, para citar alguns idiomas, mesmo assim, não haveria nenhuma chance de que você conhecesse a cultura envolvida ou tenha tido tempo para ler tudo o que deveria ser lido para se juntar à Elite, ou melhor, o Olympus, para descobrir o que eles estão falando.

Agravado ainda mais pelo fato de eles se moverem em ondas de modismos e tendências dependendo de onde estão ou quando decidem algo foi o que.
Há, no entanto, uma exceção excepcional que, para o meu entendimento, nos salva e nos permite levar uma conversa razoável sobre o assunto, que é o trabalho abaixo:

Auerbach's Mimesis Portugues

É a obra magistral de Erich Auerbach “Mimesis : a representação da realidade na literatura ocidental”, publicada pela Universidade Princeton exatamente há cinquenta anos atrás, em uma tradução inglesa satisfatória e legível de Willard R. Trask, como o Prof. Edward W. Said, coloca em sua Introdução a este livro  e cito:

“A trajetória histórica que é a espinha dorsal de Mimesis é a passagem da separação de estilos na antiguidade clássica, a sua mistura com o Novo Testamento, seu primeiro grande clímax na Divina Comédia de Dante e sua apoteose final nos autores realistas franceses da século XIX – Stendhal, Balzac, Flaubert e depois Proust. A representação da realidade é o tema de Auerbach, para o que ele teve que fazer um julgamento sobre onde e em qual literatura era mais bem representada. No ‘Epilegomena‘ * ele explica que “na maioria dos períodos, as literaturas Românicas (descendentes do Latim) são mais representativas da Europa do que, por exemplo, o alemão. Nos séculos XII e XIII, a França assumiu inquestionavelmente o papel principal; Nos séculos XIV e XV, a Itália passou à frente; voltou novamente para a França no século XVII, permaneceu ali também durante a maior parte do século XVIII, em parte ainda no século XIX, e precisamente para a origem e o desenvolvimento do realismo moderno (assim como para a pintura) “(570). Penso que Auerbach minimiza a contribuição substancial em inglês em tudo isso, talvez um ponto cego em sua visão. Auerbach continua afirmando que esses julgamentos não derivam da aversão à cultura alemã, mas sim do sentimento de tristeza que a literatura alemã “expressou. . . certas limitações de perspectivas no . . século XIX “(571). Como veremos em seguida, ele não especifica o que era isto como ele fez no corpo de Mimesis, mas acrescenta que “por prazer e relaxamento” ele ainda prefere ler Goethe, Stifter e Keller em vez dos autores franceses que ele estuda, dizendo, depois de uma notável análise de Baudelaire que não gostava dele (571) “.

* Epilegomena “Significa uma observação adicional sobre um assunto específico, normalmente declarado em sequencia

Também cito desta introdução:

“Entre 1923 e 1929, Auerbach ocupou um cargo na Biblioteca Estatal Prussiana de Berlim. Foi então que ele fortaleceu o domínio de sua vocação filológica e produziu dois grandes trabalhos, uma tradução alemã de  A nova Ciência de Giambattista Vico e uma monografia seminal sobre Dante intitulada Dante als Dichter der irdischen Welt (quando o livro apareceu em inglês em 1961 como Dante, Poet of the Secular World, a palavra crucial irdischen, ou “terrestre”, foi parcialmente representada pelo muito menos concreto “secular”).

“As próprias idéias de Auerbach sobre Dante: A Divina Comédia sintetizou o atemporal e o histórico por causa do gênio de Dante, e o uso por Dante da linguagem demótica (ou vulgar) em um sentido permitiu a criação do que viemos a chamar literatura”

Temos o que precisamos!

Auerbach's Dante

Tiro da apresentação da Amazon:

Dante: Poet of the Secular World de Erich Auerbach:  é uma introdução inspiradora a um dos maiores poetas do mundo, bem como um ensaio brilhantemente argumentado e ainda provocativo na história das idéias. Aqui, Auerbach, visto por muitos como o maior dos eruditos críticos do século XX, faz a afirmação aparentemente paradoxal de que é na poesia de Dante, suprema entre os poetas religiosos e, acima de tudo, nas estrofes de sua Divina Comédia, que a O mundo secular da novela moderna primeiro tomou forma imaginativa. O estudo de Auerbach sobre Dante, precursor e complemento necessário para Mimesis, sua visão magistral do realismo na literatura ocidental, ilumina tanto a estrutura geral como o detalhe individual do trabalho de Dante, mostrando que é uma síntese extraordinária do sensível e do conceitual, o particular e o universal, que redefiniu noções de caráter e destino humano e abriu o caminho para a modernidade.

CONTEÚDO
I. Introdução histórica; A Idéia do Homem na Literatura
II. Poesia inicial de Dante
III. O Tema da “Comédia”
IV. A Estrutura da “Comédia”
V. A apresentação
VI. A sobrevivência e a transformação da visão de realidade de Dante
Notas
Índice

Antes de entrar na obra-prima de Auerbach, vamos dar uma olhada em uma discussão sobre O Ponto de vista Grego e o da Idade Media

e

Wie es eigentlich gewesen (O que realmente aconteceu)

e

Visões do Paraiso e do Inferno e do Diabo antes de Dante

e

O Demônio – Percepções do mal da antiguidade ao cristianismo primitivo

Voltar para Artistas Inspirados por Dante

Artists inspired or which recall visually Dante

There are at several religious places, specially churches, which contains visual representations inspired on Dante. The order of presentation will be tentatively a timeline. 13th Century covered at Artists Inspired on Dante.

14th. Century

14th Lat Judgement Arena Chapel Padua 1305

14th Francesco Traini Hell Camosanto pisa 1340

14th Fresco Bigallo Florence

14th Nardo di Cione S. Maria Novella Strozzi Chapel 1350

14th Taddeo de Bartolo San Gmignano, Collegiata 1393

15th Century

Last Judgement – Pains of Hell Fra Angelico 1431-1435

15th pains of hell Fra Angelico 1431-1435

15th Divina Commedia Daomnico di Michelino 1465

Early Dutch master Hieronymous Bosch’s triptych, “The Garden of Earthly Delights” (c. 1490-1510), spans the Garden of Eden, scenes of an idyllic Utopia, and the torment of the damned. Scholars debate whether the entire painting is meant to depict the fall from grace of Man, or a moral warning of a fated afterlife for the corrupt.

16th. El_jardín_de_las_Delicias,_de_El_Bosco

Two panels  – the despairing “Hell,” and “Ascent of the Blessed,” featuring a journey through a tunnel towards a brilliant light – from a late 15th century painting by Hieronymus Bosch at the Palazzo Ducale, Venice.

16th. Century

15th Michelangelo Last Judgement Sistina

Corregio Assumption of the Virgin Duomo of Parma

16th Correggio,_Assumption_of_the_Virgin,_Duomo,_Parma_01

16th Six tuscan Poets Giorgio VAsari 1544

Pisa Duomo 1586 Riminaldi

16th-Pisa.Duomo.dome.Riminaldi01

17th  Century

17th Luca Signorelli Orvieto Cuomo 1610

18th. Century

19th. Century

19th Frescos Casino Massimo Philipp veit 1818-1824

John Milton Pandemonium (See other works from him)

19th pandemonium-1825.John Martin

 

Alegorias nos textos antigos

Com certeza existe nos meios intelectuais que lhe são afetos, uma perfeita definição do conceito envolvido, porém, em nossa língua, não existe organizadinho na Internet, um conjunto de definições que se possa lançar mão como foi feito em Inglês, para os quatro significados que Dante alude em sua explicação de como ler sua obra.

Como é crítico para o que está em jogo aqui, dentro do que encontrei, convido o leitor ou leitora a se debruçar sobre o assunto e formar sua própria opinião com o que está disponível.

Aliás, tem explicação em Português completamente equivocada, cuidado!

Para quem não gosta, ou acha complicado, lembro para quem vai à missa, que o sistema das duas leituras na liturgia da palavra que ocorre na Missa, é a forma de chegar ao  significado das alegorias, símbolos e significado do que está ocorrendo.

Porém, lembro que alegoria não é uma invenção Bíblica, apenas está entre os exemplos mais comuns, talvez o mais comum, que faz uso dela.

Para quem gosta de intelectualização, convido a examinar o seguinte:

Sobre o conceito de Alegoria
Carlos Ceia

O que é Anagógico

Anagogia seria mais próprio estar sendo discutida em Simbolismo, mas para facilidade de raciocínio, coloquei aqui também.

Este texto está em Italiano, que com um pouco de boa vontade e o tradutor do Google podemos perfeitamente assimilar, tem no seu forte o conceito do enquadramento da idéia, que é perfeito, especialmente para Dante.

Moral

Embora aparentemente o sentido possa ser o Moral da Historia, está também embutido o sentido da Moral advogada por Dante, no caso, a do Cristianismo. Note que a Ética de Dante, não bate direito…O artigo em Português, cumpre mencionar, está excepcionalmente bem feito.

Interpretação e Significado do Simbolismo e das Alegorias no Inferno da Divina Comedia

 

Representações Visuais da Divina Comedia

(See it in English)

O que vai ser representado visualmente?

Veja antes  Por que Comédia? Especialmente o sentido. Resumindo:

A ideia de Dante sobre sua obra chega até nós numa carta que ele enviou ao seu mais reverenciado benfeitor, Cangrande della Scala, quando ele estava no exílio. Existe uma versão em Inglês desta carta que  Pode ser vista em :

Como o  Dr. Johansen Quijano explica, esta carta, no fundo, se resume no seguinte, quanto às possibilidades de leitura da Divina Comédia: (Ver discussão para o caso de nossa idioma)

Literal – “Esse é o sentido que não ultrapassa os limites estritos da carta”. (é o que ela é)

Alegórico –  Esse sentido é disfarçado sob o manto de tais histórias, e é a verdade escondida sob uma bela ficção. “(O que o texto significa, contexto cultural)

Moral – “Este sentido é aquele que os professores deveriam perseguir, na medida em que avançam, para seu próprio beneficio e dos seus ouvintes”. (O que podemos tirar disso)

Anagógico –  “Isso ocorre quando algo escrito é elucidado espiritualmente e, mesmo no sentido literal, pelo significado das coisas explicadas, dá uma indicação de assuntos superiores pertencentes à glória eterna”(O que podemos obter em um sentido espiritual)

Desde sua criação, para a obra de Dante, sempre existiram pelo menos duas circunstâncias principais que um artista representaria visualmente as obras de Dante: Ou ele foi encarregado ou comissionado de fazê-lo, ou sua arte se inspiraria ou remeteria visualmente à obra-prima de Dante.

Artistas comissionados (em uma linha de tempo tentativamente)

Nota:(REC) A Universidade da Virginia fez um excelente trabalho e não apenas selecionou, como colocou numa linha de tempo os artistas comissionados para representar visualmente a obra de Dante.

O Mundo de Dante é patrocinado pelo Instituto de Tecnologias Avançadas em Humanidades, Universidade da Virgínia e financiado em parte por: uma Bolsa de Pesquisa IATH; O National Endowment for Humanities; a Fundação Gladys Krieble Delmas; e uma bolsa da National Italian American Foundation.

Aprenda a manusear este site, que contém riquezas fantásticas sobre Dante.

Yates Thompson 36

O Yates Thompson 36 da British Library é um dos melhores manuscritos iluminados italianos da Comédia. O códice foi produzido em Siena no meio do século XV (1444-1450). Embora não existam detalhes sobre quem encomendou este trabalho, o códice pertencia a Alfonso V, rei de Aragão, Nápoles e Sicília. O códice inclui 110 grandes miniaturas e três iniciais históricas. Composto por miniaturas retangulares, cada iluminura é cercada por uma borda ornamental que varia em design. Priamo della Quercia executou as iluminuras para o Inferno e o Purgatório e as três iniciais históricas, Giovanni di Paolo, para Paradiso. Isso faz surgir dois estilos distintamente diferentes: o trabalho de Priamo reflete o estilo mais realista da pintura florentina do final do século XV, uma influência particularmente notável em seu uso de contornos e delineamentos na representação de nus. O estilo de Giovanni di Paolo está mais próximo dos artistas sieneses do final do século XIV. Suas ilustrações do Paradiso são muito admiradas por sua interpretação visual do poema: o artista não apenas transcreve as palavras de Dante, mas procura dar o seu significado. Reproduzidos aqui estão 66 das 115 iluminações do códice.

Vellutello, Alessandro (comissionador)

Alessandro Vellutello era um intelectual de Lucchese ativo em Veneza por volta de 1515. Em 1544 publicou seu comentário, La Comedia di Dante Alighieri con la nova esposizione com o impressor Francesco Marcolini. Antonfrancesco Doni observa em sua Libraria de 1550 que Vellutello “esforçou-se, gastou seus recursos e um tempo considerável” para ter gravadas as 87 ilustrações. Possivelmente executado por Giovanni Britto, que trabalhou como gravador para Marcolini, essas ilustrações são as representações renascentistas mais distintas do poema após a Botticelli. Cada cena grava uma ou mais cenas dos cantos ilustradas. Para o Inferno, o ilustrador usa um design circular e uma perspectiva aérea. Ao contrário da maioria das ilustrações que acompanham as edições impressas do século XVI da Commedia, essas representações estão intimamente relacionadas com as glosas de Vellutello. As ilustrações procuram fazer a narrativa com precisão, tanto quanto a obra de Vellutello também procura fazer.

Sandro Botticelli (1444/45 – 1510)

Iluminando o Mapa do Inferno de Boticelli

O Mapa do Inferno de Botticelli (c.1485-c.1500) tem sido louvado como uma das representações visuais mais convincentes do Inferno de Dante.
O gráfico é uma das noventas ilustrações que o artista (1445-1510) executou para um generoso códice da Commedia encomendado por Lorenzo di Pierfrancesco de Medici, primo e guarda de Lorenzo de Medici. Botticelli provavelmente começou a trabalhar nas ilustrações de Dante em meados da década de 1480 e terminou em meados da década de 1490. Executada durante um período de interesse considerável na cartografia infernal, o Mapa do Inferno de Botticelli fornece uma exibição panóptica (que permite ver todos elementos e partes) da descida feita por Dante e Virgílio através do “vale de dor abismal”

Pode ser visto em  Mapa do Inferno de Botticelli